Elenco
Juliana Paes / Juliana Vasconcelos
Dan Stulbach /
Paulo Nigro
Christine Fernandes
Erik Marmo
Betty Lago
Rosane Goffman
Bruna Marquezine
Hélder Agostini
E mais...

Rodrigo (Dan Stulbach / Paulo Nigro)

Dan Stulbach
Dan Stulbach
Rodrigo
Paulo Nigro
Paulo Nigro
Rodrigo Jovem

Rodrigo foi criado junto com o irmão, Jota, pela mãe, Aurora. Os dois irmãos são opostos. Enquanto Jota é uma cara relaxado, de bem com a vida, a falta do pai fez o irmão mais velho - Rodrigo - ser responsável até demais, ele sempre se considerou o tal "chefe de família". Nunca pensou em nenhum futuro que não incluísse trabalho duro, sustento sólido. Mas é ético, honesto, um cara realmente legal. É também um pouco estabanado e às vezes se enerva a toa. Tenta não ser grosseiro, mas toda vez que tem que se impor e quer parecer enérgico, fica nervoso - o que o faz subir o tom no momento errado. É daqueles que arruma discussão fácil e acaba tendo que pedir desculpas depois, muito sem graça.


ENTREVISTA - DAN STULBACH

Como surgiu o convite para o "Mais Uma Vez Amor"?

O convite surgiu da maneira mais natural possível, a produção entrou em contato comigo me chamando para fazer o filme, eu li o roteiro e gostei. Conciliei com a minha agenda e topei fazer e assim foi.


Porque você decidiu fazer parte deste projeto?

Por causa do tema do filme, um caso de amor que se estende por duas décadas. O efeito do tempo na assunto que me atrai muito. E achei que era importante vivenciar isso e criar essa história. Achei que era legal fazer uma pessoa mais nova, um cara mais velho, desenhar esse personagem sutilmente.


O que você acha de fazer comédia?

Eu adoro comédia. Tem muitos momentos no filme em que a gente aprontou mesmo e criou coisas. O segredo da comédia é fazer algo que nem sempre você conseguiria. O engraçado não é você, é a situação. Sempre adorei Jerry Lewis quando era moleque e acho que trouxe algumas coisas dele, pelo menos que eu imagino que são dele, para esse filme. O Rodrigo é nervoso e engraçado por si só, e o seu jeito o leva a situações de conflito que acabam ficando interessantes para quem vê. Muita gente fala que fazer comédia é mais difícil que o drama. Eu acho que não. O difícil é ser verdadeiro, seja numa coisa ou em outra.


Como você constrói seus personagens?

Cada personagem eu construo de uma maneira diferente. O Rodrigo foi de uma maneira bem clássica. Fiz uma genes do personagem procurando saber o que aconteceu com ele, de onde veio, o que quer, e o que gosta. E assim comecei a conhece-lo e entrar na sua forma. Rodrigo tem um gesto nervoso, uma fala agressiva, e anda visivelmente incomodado com a sua realidade. Isso trouxe para mim uma angústia, e uma eterna insatisfação com as coisas e essa sensação guiou o personagem para mim.


Como foi trabalhar com duas lindas atrizes, Juliana Paes e Christine Fernandes?

A Juliana foi uma grande companheira, um barato, uma atriz brilhante e uma mulher linda. Quando ela foi escolhida para o personagem achei que tinham feito a escolha certa porque ela tem carisma e o brilho que faz um homem se apaixonar e tornar crível o amor. Tive também um prazer enorme em trabalhar com a Christine, uma atriz muito concentrada e dedicada. Digo isso porque a cena que fizemos juntos do rompimento do casal foi uma cena muito forte para mim e para ela e pude perceber o quanto ela se dedicou para fazer junto comigo.


Como está sendo ser dirigido pela Rosane Svartman?

É a primeira vez que eu sou dirigido por uma mulher. Já fui dirigido por uma mulher no teatro, mas é a primeira vez no cinema. A Rosane é uma diretora muito objetiva, muito concentrada, sabe muito bem o que está fazendo e o que quer de você.


Qual foi a cena que você mais gostou de fazer?

Tiveram cenas que me emocionaram em especial, aquelas que você se dedica mais artesanalmente para fazer como a cena do rompimento do Rodrigo (Dan Stulbach) com a Clara (Christine Fernandes). Teve bastante coisa legal nesse filme, bastante coisa boa de fazer, bastante cena que exige um pouco a mais daquilo que você acha que sabe, ou um pouco daquilo que vai te derrubar. Aprendi muito aqui. Eu me entreguei ao que podia e eu saio desse filme com mais coisas do que eu entrei.


ENTREVISTA - PAULO NIGRO

Como está sendo fazer "Mais uma Vez Amor"?

Só quem faz cinema é que sabe o quanto é gostoso. No cinema as coisas andam um pouco devagar. Você ensaia mais e filma menos, ao contrário da televisão. Em "Mais Uma Vez Amor" são todos de primeira linha, a equipe técnica, os diretores e a produção. Os atores com quem contracenei são ótimos. Estou muito feliz e espero poder fazer mais cinema depois desse projeto.


Como foi dividir o processo de criação de Rodrigo, personagem interpretado por você e por Dan Stulbach?

Infelizmente, tivemos pouco tempo juntos por causa das gravações. Ele estava gravando "Senhora do Destino" e eu, "Malhação", mas comecei a observar seu andar, seu gestual, seu sorriso, e ele observou os meus. Fomos conversando como seguiria a linha do Rodrigo e assim pude aprender muito com ele, apesar do pouco tempo que tivemos, até porque, a gente não contracena junto, não existe essa possibilidade.


Como foi ser dirigido por Rosane Svartman?

Se eu fosse ficar falando aqui das pessoas que trabalham no filme, ficaria elogiando sem parar, porque todas, sem exceções, são maravilhosas, e muito competentes naquilo que fazem. Existem alguns diretores que só se preocupam em falar: "Oh, quero uma câmera aqui, luz ali ...", e acabam esquecendo do ator, que por melhor que seja, precisa ser dirigido. A Rosane monta tudo que tem para montar, chama a gente pro set, e fala: "Olha, vai ser assim" Ela me deixou totalmente a vontade, e em vários momentos pude criar.


Qual foi a cena que você mais gostou de fazer?

Todas. As da praia foram muito engraçadas porque eu tomava um caixote da onda e saía todo errado da água. Fica difícil falar qual cena mais gostei de fazer porque todas foram muito boas, inclusive as pré e pós transa.